8 de fev de 2012

Galinhas em Pernambuco!

Depois de um longo tempo distante...estou de volta para atualizar o blog e contar por onde andei esses meses todos.

Começando por Porto de Galinhas, lugar lindo, calmo, com águas agradáveis, temperatura morna, e muita natureza para conhecer. Eu recomendo para todo mundo!!!

Porto fica localizado a 70 km de Recife, em Pernambuco, suas praias foram eleitas por diversas vezes as mais bonitas do Brasil. Existem muitos lugares que você deve conhecer em Porto. Na praia da vila, existem as jangadas que te levam para conhecer os corais, é necessário chegar cedo, antes da maré subir, assim os peixes ficam presos nos corais e é possível nadar junto com eles, é muito divertido!

A Praia do Carneiro é a mais linda que conheci quando estive em Porto de Galinhas, a água é extremamente clara e morna, a praia é paradisíaca. Tem como chegar de carro, mas a maioria das pessoas vão de barcos ou catamarã.

Existe ainda a Praia do Muro Alto e outras praias e lugares históricos que não conseguimos conhecer. Para andar por todas as redondezas de Porto de Galinhas reserve uma semana, no mínimo. E pesquise sempre o horário da maré, alguns passeios dependem disso.

O nome Porto de Galinhas, segundo a lenda, ficou conhecido depois da abolição da escravatura, quando os negros africanos continuavam sendo escravizados clandestinamente. Desviados de Recife, onde havia fiscalização, os negros desembarcavam em uma praia nos arredores, escondidos em engradados de galinhas-d'angola. Os contrabandistas exclamavam: “Tem galinha nova no porto!”. Esta era a senha utilizada e que deu origem ao nome da vila de pescadores.

Em porto, você encontra excelentes hotéis, pousadas e resorts, para todos os gostos e bolsos. A vila fica bem movimentada a noite devido os restaurantes, bares e lojas de artesanato. Uma dica importante: Porto não é um lugar badalado, para virar madrugadas e aproveitar noitadas, sendo um lugar que reúne muita família, casais e aposentados. É possível sentar em um bar ou jantar em um restaurante, mas por volta da meia noite o movimento termina.

Porto é um lugar para aproveitar o dia, o sol nasce cedo, umas 5h, portanto é um lugar dormir cedo e acordar cedo, e vou falar: vale muito madrugar e aproveitar o dia nesse paraíso!

Ah! Uma dica, quando for para Porto de Galinhas, conheça os passeios das inúmeras agências de turismo, elas oferecem pacotes para diversos destinos, MAS, o que vale a pena mesmo é contratar um taxista, no hotel mesmo eles indicam um de confiança, e faça o passeio individual, na hora que quiser e para os lugares que escolher. O preço é um pouco mais caro que os das agências, mas é pouca a diferença, compensa!


21 de set de 2011

Registros de agenda














Passado e presente de descobertas musicais marcam a cidade, mas não somente no rock, como Brasília recebeu muitos nordestinos para trabalharem nas suas obras, e que por aqui ficaram, isso também é muito forte nas atrações da cidade, a festa do São João aqui teve Gilberto Gil e Elba Ramalho e sempre algum grupo vem agitar uma micareta, Asa de Águia, Chiclete com banana, Ivete...e assim vai!

Para quem gosta da MBP também existem muitas opções, os centros culturais (Banco do Brasil, Itaú, Clube do Choro, etc) e o próprio governo do distrito e Ministério da Cultura promovem shows lindos, de graça e com ícones da música brasileira.

Os dois últimos shows de “grátis” que conseguimos ir: o concerto da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional com a participação do pianista Arthur Moreira Lima, e o Milton Nascimento (perfeito). Essa semana tem Oswaldo Montenegro…a agenda aqui é bem recheado de coisas boas

video

Andanças musicais

Brasília é uma cidade de culturas diversas, para todos os gostos, e o melhor, com muita atração de graça ou com preço bem acessível. As semanas por aqui são bem agitadas...

A cidade é muita conhecida por revelar várias das principais bandas do país. Os garotos que vieram para Brasília no final dos anos 80 e 90 acharam um jeito de se divertir neste serrado, no meio do “nada”.

O Legião Urbana é um dos mais lembrados, principalmente agora com o filme sendo lançado, depois vieram os mais contemporâneos Capital Inicial, Plebe Rude, Finnis Africae, Detrito Federal, Arte no Escuro, 5 Generais, Beta Pictoris, e a safra dos anos 90 foi: DFC, Raimundos, Low Dream, Little Quail, Oz, Câmbio Negro, Maskavo Roots, Natiruts, Prot(o) e Móveis Coloniais de Acaju.

Uma surpresa foi a Zélia Duncan, que apesar de carioca, a cantora carrega em sua carreira uma sementinha da cidade que hoje completa 50 anos. Foi na Sala Funarte – onde novos artistas ganhavam espaço para se apresentar – que, segundo a própria Zélia, recebeu “uma opção de vida definitiva”.

Lembrando que a grande parte desses músicos não são brasilienses, a cidade que completou 50 anos em 2010, tem agora suas primeiras gerações de nascidos na capital.

Tem uma análise no blog Grabois.org, feito pela Carolina Maria Ruy, que acho muito interessante, é uma análise dessa música que nasceu no centro-oeste. Uma parte para o gostinho...

"Os integrantes destas bandas não nasceram em Brasília. Renato Russo, vocalista do Legião Urbana é carioca, Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, é de Curitiba e Philippe Seabra, do Plebe Rude, nasceu em Washington DC.

Garotos de uma classe média “bem de vida”, filhos de funcionários públicos, bancários e diplomatas, quase todos mudaram-se com a família para a nova capital entre a infância e a adolescência. Foi lá, entretanto, no centro oeste brasileiro, que eles aconteceram.

O modo de vida urbano e o sentimento de injustiça social foram intensamente reforçados por estas bandas, não apenas nas letras mas nas batidas que lembram a produção industrial e o ritmo frenético das cidades".

Clique no nome do blog e leia esse texto, vale a pena.

Nas fotos: eu, minha mãe Roseneide, minha tia Cleidenice no Clube do Choro, o nome já diz tudo, lugar mto bom! E com os cumpadres Thalita e Daniel, no Suvaco da Asa, um bloco carnavalesco fundado por cariocas que moram na capital e que resolveram fazer uma homenagem ao famoso bloco do Rio de Janeiro "Suvaco do Cristo".

15 de abr de 2011

Fotos de domingo!

Num domingo qualquer, voltando para casa, tirei algumas fotos da cidade, do carro mesmo. Seguem as imagens para vocês conhecerem um pouco mais: Esplanada (com o mastro oficial, o maior do Brasil), Igreja, a Biblioteca e o Museu Nacional, Teatro Nacional, Palácio do Buriti, a Igreja Militar e o Cruzeiro (lugar que foi realizado a primeira missa em Brasília). Todas as fotos foram tiradas em uma única avenida, que é o eixo monumental, é possível ver todos os principais pontos turísticos de forma bem fácil.








Andança cultural

No domingo, dia 27, a andança foi cultural! Visitamos a exposição Oneness, da artista japonesa Mariko Mori, no Centro Cultural do Banco do Brasil.

Segundo informações do site do CCBB, a artista utiliza o design e a arte de vanguarda para compor elementos de engenharia de ponta, interativos e de impacto físico e visual. A exposição apresenta dez trabalhos com complexidade tecnológica, entre os trabalhos, provenientes de acervos da Europa, Estados Unidos e Japão, estão:

Wave Ufo, um objeto híbrido de grande escala, máquina e escultura ao mesmo tempo, que funde, em tempo real, computação gráfica, ondas cerebrais, som e uma engenharia arquitetônica para criar uma experiência interativa dinâmica.

Oneness, que apresenta um círculo de seis figuras confeccionadas em technogel (material novo, que fica entre o sólido e o líquido), medindo 1,35 m, que interagem ao toque do visitante.

Transcircle, um anel de nove pedras de vidro coloridas e brilhantes, controlado interativamente, numa fantástica reinterpretação dos círculos de monólitos pré-históricos.

A exposição é bonita, a fila para interagir com os elementos demorava horas, portanto só visitamos mesmo. Mas, precisa viajar para entender algumas coisas, aquelas artes abstradas que custam absurdos, são famosas, e de uma simplicidade que meu Fernandinho, sobrinho-afilhado de um ano, faria igual! Coisas do mundo artístico…

Twestival

No dia 24 de março, foi a minha vez de participar de outro evento comunicacional, o Twestival – Tweet, Meet, Give. O nome vem da soma de Twitter + Festival, um evento que reuniu pessoas para twittar e se conhecerem.

Fui ao evento para matar a curiosidade e assistir as palestras que tinham temas interessantes sobre as mídias sociais. Além disso, a noite teve apresentações de DJs e bandas locais.

O Twestival é uma iniciativa global, que aconteceu simultaneamente em 153 cidades do mundo, também é um evento social e beneficente que, em Brasília, apoiou o Comitê pela Democratização da Informática do Distrito Federal, instituição nacional de cunho social e filantrópico, que trabalha pela inclusão digital de pessoas menos favorecidas.

Durante o evento, que foi realizado durante a tarde e noite, os twitteiros comparecerem com seus smartphones, iphones, ipads e laptops para twittar em tempo real.

Brasília foi a segunda capital do mundo a arrecadar mais recursos durante o Twestival BSB, o festival de seguidores do Tweeter que mobilizou milhões de internautas simultaneamente em 153 cidades em todo o mundo. A capital federal arrecadou US$ 39 mil (R$ 65 mil), ficando atrás apenas de Ryadh, capital da Arábia Saudita, que conseguiu levantar US$ 47 mil (equivalente a R$ 78,4 mil) para obras beneficentes daquele país.



Mais informações no site http://brasilia.twestival.com

Andança comunicacional

Durante nossas andanças, também temos tempo para eventos intelectuais. No dia 23 de março, o Chico participou da Roda de Debates promovida pelo Grupo de Mídia de Brasília, com o tema regionalização da mídia.

O evento foi realizado no auditório do Correio Braziliense e reuniu especialistas do mercado publicitário, além de representantes de empresas de comunicação, do Ipobe e do governo federal.

Além do Chico, que representou a iniciativa privada, participaram o Fabrício Costa, da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Guga Mafra, da FTPI Digital, Marco Formenton, do Ibope, Adriano Kalil, da Central de Comunicação, Dário Valentino, representante do SBT Brasília, e como mediador Carlos Alexandre, editor-executivo do jornal.

Os participantes debateram o assunto durante uma hora e depois teve mais uma hora de perguntas. Como o Chico levantou a discussão sobre a regionalização no meio digital, assunto que mais instigou os cerca de 180 participantes, quase todas as perguntas foram direcionadas para ele, foi uma prova de fogo...

Se quiserem saber sobre o assunto, tem uma matéria no Correio Online: Internet é desafio para regionalização de mídia